quarta-feira, 21 de outubro de 2015

"Novo Dia" - Poema de Ruy Cinatti sobre Lisboa



A manhã sobe
na minha vidraça.
Ó penumbra nítida!
Ó claridade!

A manhã rebenta
como explosão.
Salto remoçado
da cama pró chão.

Ó realidade
crescida, sincrónica,
sempre afirmação
só para quem ama!

A manhã vibrou
numa gota fina
suspensa da folha
que à janela assoma.

Que manhã tão fria
me anuncia inverno.
Quanto arrepio 
na minha cidade.

Medito na vida
ano após ano.
Um mês repetido
sempre um desengano.

Ruy Cinatti
Enviar um comentário